Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

No Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, o Ministério da Saúde lança as Ações de Educação em Saúde em Defesa da Vida, uma série de atividades educativas, itinerantes e on-line que contemplam a realização de quatro ciclos de promoção e prevenção em saúde. No primeiro ciclo, as ações são voltadas à prevenção do suicídio e da automutilação, a partir do Setembro Amarelo. A iniciativa foi apresentada às 11h desta quinta-feira (10/9), em cerimônia no Palácio do Planalto, Brasília (DF).

“A problemática da saúde mental como resultado da pandemia precisa ser tratada de maneira direta, com programas sérios e de qualidade, para que a gente não perca ainda mais pessoas. E nisso, nós somos pioneiros. Estamos à frente com programas que tratam abertamente sobre o assunto”, destacou o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, durante o evento.

As atividades incluem cursos a distância, encontros, palestras e elaboração de materiais para ampliar o atendimento em saúde, a formação nas escolas e nas comunidades. O objetivo é qualificar o conhecimento de profissionais da área, conselheiros tutelares, professores, líderes sociais, religiosos e de entidades beneficentes, tornando-os multiplicadores da prevenção. 

“No dia 10, o mundo inteiro escolheu a data para fazer campanhas de prevenção ao suicídio e à automutilação. E o Ministério da Saúde vai aproveitar a data para iniciar um ciclo de palestras, um ciclo de ações educativas em saúde, levando conhecimento de qualidade a todo o Brasil”, disse Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde (SGTES).

A iniciativa é desenvolvida em parceria com os ministérios da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, da Educação e entidades como a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Os conteúdos educativos estão disponíveis no site prevencaoevida.com.br, onde as inscrições para as atividades já estão abertas e de forma gratuita. O portal também abriga cartilhas e videoaulas. O público-alvo são adolescentes entre 11 e 18 anos e multiplicadores.

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook