Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

O secretário executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, esteve em reunião com representantes da Associação Brasileira das Indústrias de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (Abimo) na manhã de hoje (28) para detalhar os termos das ações para evitar a escassez de itens de segurança e de prevenção contra o novo coronavírus no Brasil.

Foi boa a sinalização do pessoal da Abimo. Estou bastante otimista”, disse Gabbardo. A reunião continuará à tarde, e os termos serão divulgados em coletiva à imprensa. 

Segundo Gabbardo, o encontro é para explicar as necessidades urgentes de estoques de máscaras e aventais, por exemplo, e que as empresas precisararão priorizar a venda de tais itens para a rede pública de saúde do país. De acordo com  secretário, empresas desistiram de licitação com o governo para exportarem sua produção. Por outro lado, a rede pública de saúde já começou a enfrentar a escassez desses itens. 

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, divulga dados atualizados sobre a situação do novo Coronavírus no país. – (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

Em coletiva de imprensa na tarde de ontem (27), Gabbardo levantou a possibilidade de usar meios jurídicos para apreender esses produtos e assim evitar o desabastecimento no mercado interno. “Se necessário, vamos impedir a exportação desses produtos e se for necessário vamos solicitar a apreensão dos produtos na própria fábrica”, disse.

Coronavírus no Brasil

O Brasil tem um caso confirmado de infecção pelo novo coronavírus e 132 casos suspeitos, com expectativa de que esse número aumente para aproximadamente 300 casos. Dentre os 132 casos já suspeitos contabilizados, 70 são na Região Sudeste, dez na Região Centro-Oeste, 37 na Região Sul, 15 na Região Nordeste e nenhum caso suspeito na Região Norte. Na China, a doença covid-19, provocada pelo novo coronavírus, já matou mais de 2700 pessoas.

Procon-SP fiscalizará preços de máscaras e álcool gel

Os trabalhadores produzem máscaras faciais à medida que a demanda por sua produção aumenta rapidamente e se esforça para atender aos pedidos, nas instalações de um fabricante turco em Istambul, Turquia, em 30 de janeiro de 2020. – (REUTERS/David W Cerny)

Objetivo é saber se houve aumentos abusivos por causa do Covid-19. A Escola de Proteção e Defesa do Consumidor, da Fundação Procon de São Paulo (Procon-SP) fará um levantamento dos preços de máscara de proteção e álcool gel para verificar se os estabelecimentos estão cobrando valores abusivos por causa do surto de coronavírus.

O Procon-SP informou que serão verificados os preços cobrados neste mês por várias marcas dos dois produtos em 15  farmácias que cobrem as cinco regiões da capital paulista e compará-los com os preços vigentes em fevereiro de 2019.

A entidade também vai apurar qual a forma de comercialização da máscara de proteção e do álcool gel e se a quantidade para venda está sendo fracionada para que todos tenham acesso aos produtos. “Caso o levantamento aponte aumento injustificado e abusividade nos preços, as empresas poderão ser multadas”, informou, em nota, o Procon-SP. O resultado da pesquisa deve sair na primeira quinzena de março.

Produto em falta

Diante da demanda pelas máscaras e pelo álcool gel, os produtos já estão em falta em alguns estabelecimentos em diversas capitais do Brasil .

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook