Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Transição no governo federal e mudanças na estrutura do ensino médio são dois assuntos intimamente ligados à Educação brasileira, por consequência, ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que é tido como a principal avaliação do país. Tais pontos, e outros, levantaram diversas questões sobre a extinção da prova. Mas, será que o Enem pode acabar?

Em resposta a esta pergunta, atualmente, não existem previsões a respeito do fim do Enem. No entanto, o que deve acontecer nos próximos anos é uma reformulação da maior prova de conhecimentos do país.

Essas mudanças já estão acontecendo, e se evidenciaram a partir de 2017. Porém, a previsão é que o novo ensino médio acelere o processo. Ao longo do último ano, algumas discussões já foram feitas. Entretanto, mudanças oficiais na atual estrutura ainda não foram anunciadas.

O Exame Nacional do Ensino Médio foi criado pelo Ministério da Educação (MEC) em 1998. Ou seja, em 2018, a prova tradicionalmente aplicada no segundo semestre, completou 20 anos.

Atualmente, a grade curricular obrigatória do ensino médio é composta por 13 disciplinas, a reforma, no entanto, propõe uma redução drástica.

Conteudo – MEIO

De acordo com a proposta, na primeira metade etapa de ensino apenas as matérias de Matemática, Linguagens, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Formação Técnica Profissional.

A partir da segunda metade, os estudantes poderão escolher quais as disciplinas vão estudar para obter o diploma de conclusão do ensino médio.

Mas, e como deve ficar o sistema de avaliação do Enem se cada estudante poderá optar por se aprofundar em uma área? Uma das possibilidades é a realização de uma primeira etapa comum, cujas questões seriam elaboradas a partir da grade curricular obrigatória.

A segunda etapa, por sua vez, consistiria em uma prova específica, de acordo com a área da profissão que o estudante pretende seguir. Por exemplo, um estudante que deseja cursar Ciências Sociais, faria prova de história, geografia, filosofia, sociologia e outras correlatas.

No entanto, estas são apenas suposições, já que o governo, até o momento, não oficializou nenhuma mudança na estrutura do Enem.

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook