Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Um mar de lama vem rodeando a administração pública do Rio. O ano eleitoral está sendo marcado por escândalos e investigações contra figuras ilustres que já ocuparam a cadeira de governo municipal do Rio. O mês de setembro começou super agitado para alguns candidatos a prefeito do município. No dia 09, o  Ministério Público Eleitoral  por meio dos promotores do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ), em auxílio à 204ª Promotoria Eleitoral, denunciou à Justiça, no dia 17 de agosto, o ex-prefeito Eduardo Paes pelo recebimento de vantagens indevidas no total de aproximadamente R$ 10,8 milhões, mediante entregas de dinheiro em espécie por operador financeiro a serviço do Grupo Odebrecht, destinadas ao financiamento de sua campanha eleitoral de reeleição à Prefeitura do Rio de Janeiro no ano de 2012,

Já no dia 10, o prefeito do Rio Marcelo Crivella (Republicanos RJ), foi alvo de uma operação que impetrou busca e apreensão em sua residência e em seu gabinete no Palácio da Cidade. A ação faz parte da investigação sobre um suposto esquema de corrupção na Prefeitura. Agentes da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro cumpriram 22 mandados expedidos pelo 1º Grupo de Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, foro especial para investigação contra prefeitos. O inquérito contra Crivella segue sob sigilo foi aberto no passado com base na delação premiada de Sergio Mizrahy, um agiota da Zona Sul da cidade. Está é a segunda vez que agentes da polícia e do MPRJ fazem buscas no curso do inquérito. Não há uma denúncia contra Crivella.

Já no dia 11, outra figura pública que se colocou na disputa pela prefeitura do Rio, a ex-vereadora e ex-deputada federal Cristiane Brasil (PTB), filha de Roberto Jefferson presidente nacional do PTB, teve a prisão decretada, mais não foi encontrada, junto com mais 4 denunciados pelo Ministério público do Rio de Janeiro. A 26ª Vara Criminal da Capital do Rio de Janeiro recebeu a denúncia do MPRJ instaurando processo criminal em face de 25 acusados, dentre os réus figuram os cinco presos, entre os cinco se encontra Cristiane Brasil, acusada de organização criminosa, fraudes licitatórias, peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de capitais, além do crime de embaraçar investigação.

Já neste sábado, 12, o PDT acelerou sua conveção que ocorreu de forma virtual oficializando a ex-delegada de Polícia Civil e Deputada Estadual Martha Rocha como candidata a prefeita do Rio. Com o apoio de Ciro Gomes que fez questão de gravar um vídeo a favor da candidata de seu partido, Martha Rocha é definitivamente a candidata do PDT do Rio. Com discurso de Candidata a Governadora, em um flyer compartilhado em vários grupos de Facebook e WhatsApp, Martha Rocha diz está preparada para assumir a cadeira do governo municipal e enfatizou: “Cariocas merecem viver sem medo da violência para aproveitar suas ruas e bairros. Precisam ter educação e saúde como prioridades. A cidade deve valorizar o respeito à dignidade dos cidadãos e ter, principalmente, transparência e ética como valores fundamentais“. Em vários grupos nas Redes sociais recebeu criticas e um número considerável de rejeição por parte do eleitorado carioca.

Ainda neste sábado, 12, a bancada do PSOL RJ lançou sua candidata a prefeita do Rio, Renata Souza em convenção municipal, porém nos bastidores do partido houve um desconforto por causa do Deputado Federal Marcelo Freixo (PSOL), que havia desistido em maio de ser candidato à Prefeitura do Rio, chegou a avaliar nos últimos dias voltar à disputa eleitoral. A intenção esbarrou em divergências no próprio partido, que já havia anunciado a candidatura de Renata Souza. Desde que Freixo admitiu abrir diálogo para voltar à disputa, depois que um abaixo-assinado convocado por artistas pediu que reconsiderasse a desistência, nomes do PSOL e apoiadores do partido se opuseram à ideia, em defesa da candidata já anunciada. Neste sábado, Freixo confirmou que não voltará ao páreo. O PSOL tinha objetivo de criar uma frente unindo todos os partidos que compõem a bancada esquerdista, para lançar uma candidatura única a prefeitura do Rio, porém o PSOL encontrou muitas barreiras para unir os partidos ao entorno do projeto.

Também neste sábado, 12, a Deputada Federal Clarissa Garotinho (PROS-RJ) lançou sua candidatura à prefeitura do Rio, em convenção realizada num clube na Tijuca, Zona Norte do Rio. Filha dos ex-governadores Anthony Garotinho e Rosinha Matheus. Clarissa criticou de forma indireta, o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) e o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM), em seu discurso disse que o Rio está passando por um momento conturbado, disse ainda que sua candidatura é uma alternativa para o povo Carioca e que quer representar “um novo tempo” para a cidade, porém a família Garotinho também já teve seus nome envolvidos em escândalos políticos no Estado, em 2017 foi condenado a 9 anos, 11 meses e 10 dias de prisão pela prática dos crimes de corrupção eleitoral, associação criminosa, supressão de documento público e coação durante o processo, chegando a ser preso em 2016. Sem provas, Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho foram absolvidos da acusação de abuso de poder político pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. A decisão deixou ambos elegíveis para cargos políticos. Na mesma ação foi absolvida a filha do casal, Clarissa Garotinho, Deputada Federal na época pelo PRB.

Em 2019 a 2ª Vara Criminal de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, determinou o bloqueio de R$ 18.047.277,00 dos ex-governadores do Rio Anthony Garotinho e sua mulher, Rosinha Matheus. Os dois são réus em uma ação penal desdobrada dos crimes eleitorais desvendados pela “Operação Chequinho”, que investigou um esquema de compra de votos em Campos, na eleição municipal de 2016, envolvendo o programa social Cheque Cidadão. Veja a íntegra da decisão no Processo 0012143-13.2019.8.19.0014

Já o PSL oficializou neste sábado, 12, em convenção virtual, a candidatura do Deputado Federal Luiz Lima à prefeitura do Rio. Lima foi anunciado pelo presidente municipal do partido, deputado estadual Alexandre Knoploch, que vinha apoiando a pré-candidatura de Rodrigo Amorim, seu colega na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Na convenção, Knoploch disse que Lima terá “apoio incondicional” do partido. Lima é considerado um nome próximo ao presidente Jair Bolsonaro, a quem dedicou um agradecimento especial na convenção,

Além dos nomes acima, já temos a confirmação em relação a candidatura de Bandeira de Melo (REDE) e sua vice Andrea Gouveia Vieira, ex-diretor bem sucedido do Flamengo com um rico histórico de ótima gestão no clube carioca, além de passagens pelo BNDS.

O PT tem sua candidata que vem com o apoio dos ex-presidentes da republica Lula e Dilma, a ex-governadora do estado Benedita da Silva. Benedita já teve seu nome envolvido e arrolado em processos onde já se tornou réu, em 2015 a deputada respondeu pelos crimes de improbidade administrativa por fraudes em convênios entre a Fundação Darcy Ribeiro (Fundar) e ONGs com o Ministério da Justiça, na época em que era secretária estadual de Assistência Social e Direitos Humanos. A ação foi impetrada pelo Ministério Público.

Ainda temos um outro protagonista das eleições 2020, que vem carregando o histórico de ter sido diretor bem sucedido do Flamengo Fred Luz, do partido NOVO, o mesmo vem fazendo promessas que são muito relacionadas as políticas do partido NOVO para serem aplicadas ao município. Temos ainda o Deputado Hugo Leal (PSD), Deputada Enfermeira Rejane (PCdoB), Vereador Paulo Messina (MDB), o ex-deputado federal Cabo Daciolo (PL) e o empresário Paulo Marinho (PSDB) que poderá ter a confirmação de sua candidatura na corrida eleitoral pela prefeitura do Rio.

Resta saber qual desses três terão o apoio do Presidente Bolsonaro: O atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), Luiz Lima (PSL), Hugo Leal (PSD).

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook