Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

O Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe) está retomando as cirurgias de tecido ocular humano. Com a publicação da portaria nº 1.049 no final do ano passado, a unidade de saúde da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) – vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação – concedeu autorização para o hospital realizar este tipo de procedimento, reafirmando a capacitação da unidade na realização desta prática. 

As doenças de córneas são a segunda causa de cegueira reversível no mundo, apontam estudos. Médicos explicam que a córnea age como um “vidro de relógio”, ou seja, a parte mais anterior e transparente. A retina (nervo) funciona como se fosse o “motor”. Costuma-se dizer que a catarata representa os “ponteiros”. Dentro desta explicação, é possível dizer que o vidro é trocado se ele estiver arranhado, sujo ou quebrado. 

Desde o início do ano, o Setor de Oftalmologia do Hupe já realizou três cirurgias. O hospital era uma das únicas unidades hospitalares credenciadas a fazer este tipo de cirurgia e considerado historicamente um dos centros de referência. Porém, por questões inerentes à renovação de licença, as cirurgias tiveram que ser suspensas durante os últimos quatro anos, sendo agora retomadas. 

O Hupe está totalmente capacitado para absorver a demanda. É uma cirurgia de ponta. Ao retomarmos essa prática, certamente ajudaremos muito na redução da fila de transplante de córnea no Estado do Rio de Janeiro – afirma Lucas Monferrari, médico oftamologista e professor colaborador da Pós-Graduação da Uerj. 

O procedimento na córnea é o de maior sucesso entre os transplantes. É possível trocar a córnea inteira; mudar só a parte mais interna, que é o Transplante Endotelial; ou alterar a parte mais anterior (o estroma), chamado de Transplante Lamelar Anterior. Dependendo da porção da córnea em que a doença esteja situada, pode ser realizado um transplante seletivo, que mantém uma boa parte da córnea e diminui as chances de falência e rejeição por manter o tecido do próprio paciente.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Dr. Serginho, destaca a importância da parceria da unidade com a secretaria, permitindo oferecer um serviço de excelência aos pacientes do SUS.

Estou muito feliz em saber que o serviço foi novamente regularizado. O Pedro Ernesto tem plenas condições de atender os pacientes, pois conta com uma equipe médica extremamente qualificada e excelente infraestrutura para atender aqueles que necessitam – afirmou o secretário.   

O serviço do Hupe conta hoje com dois espaços aptos para tais procedimentos: o centro cirúrgico geral do hospital e o próprio centro do serviço de oftalmologia. A oftalmologia do Hupe também tem um serviço com estrutura de ponta na parte de exames, o que favorece de forma considerável a rede estadual de saúde.

O olho é uma ‘bola’ de dois centímetros, e existem milhares de doenças que podem acometer essa ‘bola’. Então, muitas vezes, necessitamos de exames complementares microscópicos, que são feitos por aparelhos geralmente caros. Aqui temos toda estrutura para uma assistência completa – salientou o médico Lucas Monferrari.

O que é a córnea?

A córnea é a primeira lente do olho e a que mais contribui para a focalização da luz na retina (um tecido que reveste o olho por dentro e é responsável pela absorção da luminosidade). O transplante consiste na substituição da córnea do paciente por uma córnea doada para restabelecer a transmissão ideal da luz pelos meios do olho.

Várias doenças oculares podem debilitar a córnea, causando a perda de sua transparência, ou irregularidade de sua forma ou superfície. Entre os exemplos pode-se citar: ceratocone em estágio avançado, trauma no olho, infecções, queimaduras por substâncias químicas, enfermidades congênitas ou outras causas em que a pessoa pode ter a visão bastante reduzida ou até perdê-la.

Doação do órgão

Por se tratar de um tecido sem a presença de vasos sanguíneos, não há necessidade de realizar testes de compatibilidade entre o doador e o receptor. Isso faz com que a fila seja única para todos os candidatos, diminuindo o tempo de espera. 

Qualquer pessoa que venha a óbito e que manifestou aos familiares sua vontade de doar seus órgãos pode ser um doador, desde que preencha os critérios determinados pela Central Estadual de Transplantes (CET). 

Vale ressaltar que a retirada das córneas pode ser feita até seis horas após a parada do coração (o prazo varia se o corpo estiver refrigerado).

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comentários no Facebook