Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Durante longos anos, a mídia e a moda se tornaram responsáveis  por ditar certos tipos de padrão de beleza  e de modelos estéticos que foram impostos pela sociedade.  Por várias gerações,  modelos brancas, altas e magérrimas  dominavam totalmente as passarelas. Atualmente, a diversidade no mundo da moda trouxe para as passarelas em geral  grupos que de nenhuma forma recebiam representatividade e está fazendo com que estes grupos tenham cada vez mais espaço no mundo da moda.

Com isso o “padrão” de beleza imposto  durante décadas  está se desfazendo e é possível ver a pluralidade cada vez mais presente nas passarelas e editoriais de moda. Afinal, tentar esconder ou disfarçar as diferenças, ou não respeitá-las, é fugir do entendimento de que existe lugar para todos em nossa sociedade.

Jonathan Lima, Empresário e Diretor da Art&Show / Foto: Arquivo pessoal

Um dos primeiros passos para que esta mudança pudesse acontecer foi a criação das cotas que possibilitou, aos poucos, a presença em maior freqüência de pessoas negras na passarela. Em seguida o leque se abriu,  vieram as  curvilíneas, amputadas, maduras, albinas e outras etnias e biótipos considerados fora do padrão. Na moda e nas passarelas da atualidade todos agora são bem-vindos, a própria sociedade já espera encontrar em eventos de moda representatividade na área. Com toda essa mudança, já não é mais possível fazer peças de roupas somente para magras e perfeitas – é necessário ir além dos padrões ou mesmo desconstruí-los.

Modelos Thabata Silveira e Emanuele Macedo – FOTO: Daniel Machado

Foi pensando em toda esta mudança que a Agência A&S School Models, representada pelo empresário e diretor Jonathan Lima e a produtora Etiene Araujo , criou o projeto Diversidade, com o intuito de dar oportunidade a modelos que são consideradas “fora dos padrões”.

“ O projeto Diversidade na Arte&Show foi criado para mostrar que todos podem ser modelos, independente de altura, peso, cor ou manequim. Basta ter talento” – Etiene Araujo.

Produtora da Arte&Show Etiene Araujo / FOTO: Arquivo pessoal

Para mostrar que o projeto veio para impactar a todos e mostrar que o diferente também é belo, a agência produziu um ensaio com várias modelos com manequins e alturas variadas. A indústria da moda já entendeu a importância de resgatar a essência das belezas individuais e mostrar para o público como enxergar sua verdadeira natureza.

Modelos Amanda Miranda e Jeniffer Machado – FOTO: Daniel Machado

Falar de moda inclusiva é tratar de um mercado que produz para todos os tipos de físicos e inclui nos desfiles pessoas que representem todos os tipos de corpos. Seguir a carreira de modelo passa pela mente de muitas pessoas, de crianças até aos adultos, e por estar cada vez mais inclusiva agora é o momento para se aproveitar seu biotipo e explorar outros trabalhos na moda.

A Agência Arte&Show fica no município de Queimados, na Baixada Fluminense e já é considerada a melhor da Baixada.

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook