Municípios integrantes do “Baixada Verde” se reúnem em Queimados

Comissão formada por dez cidades da Região Metropolitana debateu estatuto que vai reger movimento pelo turismo

Horto Municipal Luiz Gonzaga de Macedo em Queimados - Foto: Igor Lima/PMQ
Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.
BAIXADA FLUMINENSE – Para incentivar e profissionalizar o turismo na Baixada Fluminense, representantes dos municípios que integram o movimento “Baixada Verde” se reuniram no último dia (22), no Centro de Artes e Esportes Unificados Planeta Futuro, no bairro São Roque, em Queimados.
 
No evento, os membros da comissão formada pelas cidades de Queimados, Nova Iguaçu, Belford Roxo, Duque de Caxias, Magé, São João de Meriti, Japeri, Mesquita, Nilópolis e Seropédica, definiram o Estatuto do Conselho Regional, documento que vai reger a atuação das cidades na busca por investimento para o turismo de toda a região.
 
Presente na ocasião, o Prefeito de Queimados, Carlos Vilela, festejou mais um passo importante na busca por recursos que ajudem a transformar a realidade do turismo local.
 

Prefeito Carlos Vilela de Queimados abriu a reunião – Foto: Igor Lima
“Temos uma imagem muito ruim, pois a mídia só mostra uma Baixada violenta. Somos um contraponto, pois queremos trabalhar o potencial turístico daquilo que temos de melhor dentro de cada cidade. Agindo de forma regional, teremos mais força”, comentou o gestor.
 
De acordo com o Secretário Municipal de Cultura e Turismo de Queimados, Marcelo Lessa, a comissão tem se reunido mensalmente desde maio de 2017 e quer mudar o modo como os cidadãos fluminenses enxergam a região.
 
“Esse movimento foi feito porque o turismo na Baixada existe, mas estava esquecido. Depois do estatuto pronto e aprovado por cada município, iremos a Brasília conversar com o Ministro do Turismo e buscar recursos para movimentar a economia em torno do turismo local”, declarou o gestor.
 
Ana Cristina Venâncio, Coordenadora de Turismo em Nova Iguaçu, afirmou que o potencial para o ecoturismo na Baixada é enorme e deve ser levado em consideração por todas as instâncias de governo.
 
“Quando se fala de turismo no Rio de Janeiro, a maioria pensa em Pão de Açúcar, Cristo Redentor, os pontos mais conhecidos. A nomenclatura de ‘Baixada Verde’ passou a existir por conta do nosso enorme potencial de áreas preservadas. Temos parques, reservas ambientais e estações ecológicas que apresentam forte potencial turístico”, explicou. 
 
Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook