Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

A Polícia Civil do Rio desarticulou uma quadrilha que utilizava sites de compra e venda de imóveis para aplicar golpe da casa própria. Ao longo deste mês, policiais da 38ª DP, no bairro de Brás de Pina, zona norte da capital, prenderam 22 pessoas, após denúncias de lesados e investigações do setor de inteligência.

De acordo com a Secretaria de Estado de Polícia Civil, o grupo de estelionatários criou uma associação criminosa que oferecia os imóveis se aproveitando do sonho da casa própria. Uma das vítimas do golpe chegou a perder cerca de R$ 100 mil para os criminosos.

O delegado titular da 38ª DP, Maurício Mendonça, disse que os criminosos indicavam imóveis com preços muito abaixo do mercado e convenciam os compradores a depositar em suas contas cerca de 5% do valor pedido. A vítima só percebia que não havia imóvel e nem financiamento depois de realizado o pagamento. Segundo o policial, ainda há indícios de outros golpes semelhantes praticados pela quadrilha e, por isso, as investigações continuam.

As investigações identificaram mais de 100 estelionatos. Conforme a secretaria, após as primeiras prisões, cerca de 50 pessoas procuraram a delegacia de Brás de Pina alegando serem vítimas do golpe. Maurício Mendonça pede que outras pessoas lesadas pelo grupo procurem a delegacia.

O delegado chamou atenção das vítimas para detalhes que possam indicar a ação do grupo. Mendonça disse que o comprador deve desconfiar imediatamente quando o valor do imóvel é muito baixo. Antes de fechar o negócio, o interessado deve pedir para visitar o imóvel e verificar também se as financeiras funcionam no mesmo lugar há muito tempo.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, você deixar seu comentários no fim da matéria ou copie o link ou o título do conteúdo e mande in-box pela nossa página: facebook.com/folhakariocasgbc

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook