Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

A saga de uma borboletinha que se perdeu durante um passeio e foi parar em uma floresta diferente, onde encontrou uma florzinha e outros animais que passam por sérios problemas. Esta é a história contada no livro ‘Somos Todos Coloridos’, da professora Joicy Corrêa Araújo, 38 anos, da rede municipal de Nova Iguaçu, que está sendo lançado no maior evento literário do país, a Bienal do Livro do Rio de Janeiro.

Mulher negra, Joicy aborda em seu livro temas como preconceito e discriminação. “Pensando nas pessoas que sofrem preconceitos, especialmente nas crianças, tentei buscar por meio de uma historinha, uma maneira que fosse de fácil compreensão do tema discriminação para ser trabalhada com os pequenos, de forma que eles entendam que todos somos diferentes e somos especiais, merecemos respeito e também precisamos respeitar os outros”, explica a autora.

Joicy é professora da rede municipal de Nova Iguaçu desde 2009. Ela trabalha na Escola Municipal Hélio Montezano de Oliveira, no bairro Jardim Paraíso, com educação infantil. É o segundo livro lançado pela professora, que é leitora desde pequena. No seu primeiro livro, ‘Uma florzinha especial’ ela criou uma historinha baseada nos vários textos infantis que guardou em sua memória. O livro conta a história de uma florzinha que estava triste porque não se achava importante e não sabia o que fazer da vida.

Nos enche de orgulho ter em nosso quadro uma professora tão competente e dedicada como é a Joicy. É de profissionais assim que nossas crianças precisam para se desenvolver e se tornar grandes cidadãos”, afirmou a secretária municipal de Educação, Maria Virgínia Andrade Rocha. Ela lembra que a Prefeitura de Nova Iguaçu investe muito na capacitação do corpo docente, através da Casa do Professor, com cursos, palestras e atividades culturais.

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook