Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

A secretária Municipal de Saúde, Ana Beatriz Busch, abriu o evento de apresentação do Relatório sobre a Epidemia Mundial do Tabaco da Organização Mundial de Saúde (OMS), no Museu do Amanhã, na tarde desta sexta-feira. Representando o prefeito Marcelo Crivella, ela comemorou o fato de o Brasil ter se tornado um dos dois únicos países, ao lado da Turquia, que adotaram todas as medidas indicadas pela OMS para reduzir o tabagismo.

Esta é uma conquista do Brasil. E o Rio de Janeiro é o berço dessas ações. Quanto maior o trabalho, mais rápido a gente vai atingir o objetivo de livrar a cidade do Rio de Janeiro, o Brasil e o mundo do tabagismo – afirmou a secretária.

O encontro da 7ª edição do relatório contou ainda com as participações do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, do secretário estadual de Saúde, Edmar José dos Santos, dos ministros da do Uruguai e do Paraguai, representantes da OMS, da Organização Panamericana, da Câmara dos Deputados e de entidades ligadas ao combate ao fumo e ao câncer. Todas as autoridades envolvidas elogiaram o Brasil pelas ações adotadas que resultaram na redução do índice de fumantes.

–  Por que nós estamos aqui na Cidade do Rio de Janeiro? A Cidade do Rio de Janeiro para o Programa de Tabagismo é simbólica. O Rio sempre foi vanguarda. Sempre foi a cultura um passo a frente, puxando e chamado o Brasil e colocando as grandes questões nacionais em discussão. E o combate ao tabagismo também teve a sua vanguarda, o seu início de movimento aqui no Rio de Janeiro – afirmou o ministro Mandetta.

A redução do consumo do tabaco é resultado de uma série de ações que vêm sendo realizadas há mais de 30 anos. Dados do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde, revelam que, em 2018, 9,3% dos brasileiros afirmaram ter o hábito de fumar. Em 2006, ano da primeira edição da pesquisa, esse percentual era de 15,7%. Isso significa que, nos últimos 13 anos, houve uma redução de 40% no consumo do tabaco. Na cidade do Rio, a Prefeitura mantém um programa de apoio aos fumantes que querem abandonar o vício. Só em 2018, 7.663 pessoas participaram dos grupos, e metade delas conseguiu parar de fumar.

Com periodicidade bianual, o relatório apresentado na tarde desta sexta-feira faz parte da iniciativa conjunta entre OMS e Fundação Bloomberg, a Tobacco Free Iniciative. De modo a apoiar a implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT) pelos Estados-Membros, foi lançado, em 2008, o pacote de seis medidas de controle de tabaco MPOWER, cujo monitoramento é feito por meio do relatório da OMS.

A edição 2019, com o objetivo de avaliar a aplicação da medida “Oferecer ajuda para a cessação do tabagismo”, conclui que um terço da população mundial tem acesso a serviços de qualidade para quem quer deixar de fumar. Das 5 bilhões de pessoas que estão cobertas por pelo menos uma das medidas do MPOWER de maneira plena, 3,9 bilhões vivem em países de média e baixa renda. O Brasil e a Turquia são os únicos países do mundo que implementaram todas as medidas MPOWER no mais alto nível de execução.

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook