Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

O comportamento de consumo do brasileiro mudou durante o período de pandemia e as compras on-line assumiram posições de destaque na hora de optar pela forma de adquirir produtos e contratar serviços.  E para quem já planeja comprar durante a Black Friday, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon/MJSP) preparou uma lista de dicas para alertar os consumidores em relação aos cuidados para se fazer um bom negócio. Dentre as orientações que estão sendo divulgadas por meio das redes sociais e da página do Ministério da Justiça e Segurança Pública, conhecer a reputação da loja, guardar os registros de compras e pesquisar se o site tem conexões seguras são fundamentais para que o consumidor não caia em armadilhas.

De acordo com o Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec), as demandas em “relação à internet” registradas, de janeiro a outubro, nos órgãos de proteção e defesa do consumidor mais que dobraram quando comparadas ao mesmo período de 2019. As principais solicitações estão relacionadas ao vestuário (calçados, roupas e acessórios). O principal problema relatado pelos consumidores é a não entrega ou a demora na entrega do produto.

A Secretaria Nacional do Consumidor   chama atenção para a possibilidade do consumidor formalizar uma reclamação, sem sair de casa, por meio do consumidor.gov.br. A plataforma do Governo Federal é gratuita e possibilita o contato direto com o fornecedor. A Senacon aponta que 80% das demandas são resolvidas pelo consumidor.gov.br, com prazo médio de até sete dias de resposta das empresas participantes.

Quando não for possível a compra on-line, a Senacon alerta sobre a importância de se evitar aglomerações em espaços como mercados, lojas e comércios de rua durante a semana da Black Friday e, principalmente, no dia 27. Para quem não puder evitar, a dica é usar máscara e higienizar as mãos com álcool em gel ou água e sabão.

A secretária Nacional do Consumidor, Juliana Oliveira Domingues, destaca que “nesse momento, devemos ter mais cuidado com as ofertas e com a exposição dos consumidores dentro dos estabelecimentos que possam colocar em risco a saúde e a segurança, lembrando que esses são princípios basilares do Código de Defesa do Consumidor“, alerta.

Confira as dicas da Secretaria Nacional do Consumidor

Para comprar com segurança:

– Informe-se sobre a reputação da loja que pretende comprar;

– Verifique se o site da empresa possui conexões seguras para proteção dos dados;

– Guarde todos os registros de suas compras;

– Pense bem antes de efetuar a compra. Pesquise bastante;

– Fique atento a mensagens e sites fraudulentos;

– Fique em casa! Se sair para as compras, use máscara e se proteja!

Nos ajude a espalhar essa matéria entre seus amigos e grupos em que você participa.

Comentários no Facebook